Diabetes: Sintomas, Causas e Tratamento

Diabetes: Sintomas, Causas e Tratamento
Vote
O diabetes é uma síndrome metabólica de origem múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade de a insulina exercer adequadamente seus efeitos, causando um aumento da glicose (açúcar) no sangue.
Explicação Detalhada

Quando comemos um carboidrato este é quebrado em pequenos pedaços de glicose, também chamado de açúcar.

Este açúcar é absorvido e fica em nossa corrente sanguínea para entrar em nossas células e ser utilizado como fonte de energia. Porém, para a glicose entrar nas células ela precisa da ajuda de um hormônio, a famosa insulina.

A insulina é produzida no pâncreas. Assim que nos alimentamos o pâncreas produz insulina na quantidade exata para o que estamos ingerindo, fazendo com que nosso organismo capte exatamente a quantidade de glicose exata para produzir energia na dose certa.

Nas pessoas diabéticas o pâncreas não produz insulina ou a produz em pouca quantidade o que dificulta a entrada da glicose nas células.

Há também casos em que o pâncreas produz a insulina de modo suficiente, mas o organismo não consegue fazer com que a glicose entre na célula. Dessa forma, a glicose fica na corrente sanguínea, ocasionando em uma hiperglicemia.

Tipos de Diabetes

Diabetes tipo 1

No diabetes tipo 1, o pâncreas perde a capacidade de produzir insulina em decorrência de um defeito do sistema imunológico, fazendo com que nossos anticorpos ataquem as células que produzem a esse hormônio. O diabetes tipo 1 ocorre em cerca de 5 a 10% dos pacientes com diabetes.

Pré-diabetes

A pré-diabetes é um termo usado para indicar que o paciente tem potencial para desenvolver a doença, como se fosse um estado intermediário entre o saudável e o diabetes tipo 2 – pois no caso do tipo 1 não existe pré-diabetes, a pessoa nasce com uma predisposição genética ao problema e a impossibilidade de produzir insulina, podendo desenvolver o diabetes em qualquer idade.

Diabetes tipo 2

No diabetes tipo 2 existe uma combinação de dois fatores – a diminuição da secreção de insulina e um defeito na sua ação, conhecido como resistência à insulina. Geralmente, o diabetes tipo 2 pode ser tratado com medicamentos orais ou injetáveis, contudo, com o passar do tempo, pode ocorrer o agravamento da doença. O diabetes tipo 2 ocorre em cerca de 90% dos pacientes com diabetes.

Diabetes Gestacional

É o aumento da resistência à ação da insulina na gestação, levando aos aumento nos níveis de glicose no sangue diagnosticado pela primeira vez na gestação, podendo – ou não – persistir após o parto. A causa exata do diabetes gestacional ainda não é conhecida, mas envolve mecanismos relacionados à resistência à insulina.

Outros tipos de diabetes

São decorrentes de defeitos genéticos associados a outras doenças ou ao uso de medicamentos:

Diabetes por defeitos genéticos da função da célula beta
Por defeitos genéticos na ação da insulina
Diabetes por doenças do pâncreas exócrino (pancreatite, neoplasia, hemocromatose, fibrose cística etc.)
Diabetes por defeitos induzidos por drogas ou produtos químicos (diuréticos, corticoides, betabloqueadores, contraceptivos etc.).

Principais Sintomas

É difícil diagnosticar uma pessoa somente pelos sintomas diabéticos. Eles com certeza ajudam a identificar a diabetes, mas as principais consequências dessa doença são silenciosas, causam danos a longo prazo. Por isso, a melhor forma de diagnosticar ainda é pelo nível de insulina e glicemia presente no sangue.

Hoje em dia essas taxas fazem parte de todos os exames de sangue de rotina para verificar a existência ou tendência do paciente a desenvolver a diabetes.

Entre os sintomas mais comuns de ambos os tipos de diabetes são:

Fome excessiva
Sede excessiva
Vontade de urinar constante
Mudanças de humor
Náuseas
Perda de peso
Formigamentos
Nervosismo
Fadiga
Dificuldade na cicatrização de feridas
Alteração visual

Causas da Diabetes
Existem muitos fatores que podem ocasionar no surgimento da doença, porém, dentre os principais podemos citar:

Ataque do Próprio Organismo
Conforme citamos anteriores, no tipo 1 da doença, as células de defesa do organismo atacam as células do pâncreas produtoras de insulina, culminando assim, no surgimento da doença.

Má Alimentação
Sem dúvida um dos grandes causadores da doença. Principalmente a ingestão de alimentos com alto índice glicêmico que contém grandes doses de farinha e açúcar em sua composição, os famosos carboidratos simples. Quanto mais alto for o índice glicêmico de um alimento mais glicose cairá na corrente sanguínea e mais insulina será necessária para guardar essa glicose dentro das células.

Sedentarismo
O excesso de peso também é uma das principais causas do surgimento da doença. A grande quantidade de gordura corporal dificulta a ação da insulina, fazendo com que pouca glicose entre nas células do nosso organismo e fique circulante na corrente sanguínea causando assim, o surgimento da doença.

A falta de prática de atividade física é um dos principais fatores que ocasionam no ganho excessivo de peso, juntamente com a má alimentação.

O sedentarismo já é considerado pela Organização Mundial da Saúde uma doença.

COMO TRATAR A DIABETES

Se a Diabetes não for tratada pode causar riscos sérios para o organismo e até possibilidade de morte. É por isso que, quem tem o diagnóstico da doença ,precisa adotar um estilo de vida diferente. Isso não significa somente aprender a controlar o nível de açúcar do sangue.

O tratamento da diabetes envolve vários aspectos da vida que precisam ser repensados. Cada pessoa deve adaptar as necessidades que o organismo tem para manter-se saudável aos seus gostos pessoais. Por tanto, no momento de fazer um exercício físico, por exemplo, é importante escolher algo que satisfaça. Para alguns será correr em parques, outros o ciclismo ou a natação. Essa fase de experimentação é muito importante.

Evitar doces e carboidratos
As fibras precisaram fazer parte da rotina
Comer pouco e várias vezes por dia para evitar os picos glicêmicos
Frutas e legumes serão boas opções para diminuir o consumo de gorduras
Gorduras saturadas devem ser eliminadas do cardápio
Atividades físicas regulares
Inserir mais tempo livre na rotina
Tanto para quem tem diabetes tipo 1 quanto o tipo 2 tem a verificação da insulina no sangue como um hábito. Para quem tem Diabetes tipo 1 é preciso aplicar insulina injetáveis todos os dias. Já nos casos de diabetes tipo 2 é preciso ingerir alguns medicamentos orais, a insulina injetável só precisará ser usada em casos graves.